Páginas

5 de setembro de 2012

TURISMO NERD :)) - OS CENÁRIOS DE GAME OF THRONES PARTE 2


Parte 2 -  Malta , a Casa LANNISTER.



OUÇA-ME RUGIR!


Saudações Nobres Transeuntes e fãs de Game Of Thrones

Como prometido, continuo com a sequência  de postagens sobre os cenários reais da série da HBO, Game of Thrones,  trazendo até vocês hoje um dos destinos usados na primeira temporada das filmagens: Malta.  


Vocês verão que esta escolha tem muito a ver com os Lannisters e com a série no geral. A história deste pequeno arquipélago por si só renderia uma ótima série de tv.









Sobre a escolha de Malta 

A escolha de Malta, segundo o produtor executivo da série  D. B. Weiss,  ocorreu pelo fato da ilha ter se tornado bastante atrativa financeiramente para filmagens nos últimos 15 anos.  O idioma oficial - inglês - também foi um fator importante, dispensando o uso de tradutores dentro de equipes já bastante  grandes.  Malta pertenceu a Coroa Britânica, de 1814 a 1964, quando se tornou um país independente e embora esteja muito próxima da costa Italiana e a poucos quilômetros de distância da Sicilia, mantém o inglês como idioma oficial, e o maltês como idioma considerado “nativo” - e muito bonito por sinal, diria eu que sua sonoridade é quase “élfica” (vejam a despedida para vocês que pus ao fim do post )

Hoje parte da Comunidade Européia e tendo o Euro como moeda, atrai a indústria cinematográfica  justamente por reunir vários cenários naturais necessários a filmes épicos - desertos, montanhas suaves, castelos que calham com diversas culturas do passado e baías de águas quentes -  em um espaço de pouco mais de 316 km quadrados, ou seja, o custo de deslocamento, alimentação e hospedagem é muito reduzido e os ganhos visuais incríveis.








  
O primeiro longa metragem premiado a se aventurar por estes desertos vermelhos e águas azuis foi “Gladiador” (1999) de Ridley Scott, seguido por “Kingdom of Heaven”  (2005) traduzido aqui como “ A Cruzada”  também de Ridley Scott . Há quem diga que ele comprou uma casa em La Valleta, (última imagem acima, primeira abaixo) capital de Malta  - eu também compraria!






“Kingdom of Heaven” utilizou cenas rodadas no mesmo castelo usado para o “Rochedo Casterly” dos Lannisters em suas cenas de Jerusalém, e parte da murada de La Valleta para as cenas da partida dos barcos saindo de Messina para Jerusalém. 

Voltando a Game of Thrones, a mudança de cenário de Malta para Dubrovnik na Croácia veio por conta do aumento de investimento que a série teve entre a primeira e a segunda temporada.  O números são fortes. O episódio  piloto  teve o custo módico de U$ 10 milhões... Isso mesmo, Dez milhões de dólares. Depois disso a produção, alarmada, resolveu segurar um pouco o cinto e passou a gastar apenas a média de Cinco milhões de dólares por episódio. Vai que não dá certo, não é? Melhor prevenir... 

Foi o oposto, a série foi um sucesso estrondoso no primeiro episódio e com a renovação para a segunda temporada, os valores foram aumentados para Dez milhões de dólares por episódio. Com este aditivo, os cenários puderam ser ampliados e neste momento Malta precisaria de uma cidade cenográfica inteira, coisa que a cidade velha de Dubrovnik oferecia pronta, montada naturalmente, e os espectadores não perceberiam a diferença. As cenas do Castelo “Rochedo Casterly” ainda foram rodadas no Castello di Cavallieri di Malta e talvez ainda sejam rodadas ali até o final, mas todas as imagens externas de Porto Real, a partir da segunda temporada já foram rodadas em Dubrovnik, Croácia. E preparem-se. A  terceira temporada de Game Of Thrones conta com Dezoito milhões de dólares liberados por episódio... Imaginem o que vem por aí. Estarei atenta por aqui também, caso novos destinos  sejam incluídos, trago tudo até vocês.



Um pouco sobre Malta.
Um lugar tão pequeno mas com tanta história a contar. 
A ocupação de Malta data de tanto tempo que seriam necessárias mais de 4 postagens para falar profundamente sobre ela. A ilha é habitada desde 5.200 A.C.  e uma civilização pré-histórica, muito antecedente aos fenícios, teria batizado a ilha de MALAT, que significaria “refúgio seguro”. Outra definição para seu nome viria da palavra grega MELITÉ (mel doce) por conta de um tipo de abelha endêmica da ilha e que produzia um mel de altíssima qualidade. A Ilha passou a ser chamada por eles de “Terra de Mel”. Os fenícios também a batizaram, chamando-a de MALETH, que significava “paraíso” em sua antiga língua. E ela é mesmo tudo isso... 




Ah, eu já ia esquecendo... Vem aqui mais um gancho para os aficcionados por cinema. Se lembram de “Conan - The Barbarian” (1982) de Dino de Laurentis e John Milius? A cena clássica onde “dois lutarão contra muitos” ao final do filme?  Então, esta cena foi rodada em Malta, nas ruínas de um templo do período neolítico chamado Mnjadra... CROM merecia este cenário, não acham?






Mnjadra é um sítio arqueológico próximo a costa oeste de Malta, e que dataria da Idade do Bronze ( algo entre 5.000 e 3.000 A.C. )  Muitos sítios arqueológicos começaram a ser escavados na ilha desde que o cinema trouxe investimentos e não é de se espantar que tanta coisa possa ser encontrada ali. Malta é na verdade um pequeno arquipélago centralmente situado no Mar Mediterrâneo, 93 km ao sul de Sicília (Itália) e 288 km a nordeste de Tunísia (África), 1.826 km a leste de Gibraltar e 1.510 quilômetros a oeste de Alexandria, no Egito.  Imaginem o que esta posição geográfica já representou em estratégia militar no auge da civilização Minóica ou Egípcia? Esta Terra de Mel ainda nos trará ricas surpresas. 


E sobre surpresas: Castello di Cavallieri di Malta
A tradição cristã na ilha remonta ao início  do Cristianismo. Segundo o livro dos Atos  dos Apóstolos, no ano 60 da era cristã, São Pedro teria naufragado e chegado até a ilha. Ali, converteu todos os moradores da então Melitá ao cristianismo e a transformou em um dos locais sagrados da história desta religião. Mesmo no tempo em que esteve sob o domínio  dos Árabes Muçulmanos (870 D.C.)  manteve o cristianismo como religião oficial, em harmonia com o islamismo, que lhe engrandeceu a cultura e as artes enquanto pode ser professo livremente nas ilhas. Suas memórias mantém-se fortemente na arquitetura de Malta.





Em 1530 da era cristã, as ilhas foram cedidas pela Espanha à Ordem Hospitalar de São João de Jerusalém - uma ordem religiosa e militar pertencente à Igreja Católica - que tinha sido expulsa de Rhodes pelo Império Otomano. 
Esta ordem monástica militante, hoje conhecida como "Ordem de Malta", foi sitiada pelos turcos otomanos em 1565, após o que acrescentaram as fortificações, especialmente ao redor da  cidade de La Valetta. Os Cavaleiros de São João de Jerusalém governaram as ilhas até o século 19, e por volta de 1600 teriam erguido a nova sede de sua ordem, o Castello di Cavallieri di Malta. Como todo castelo pertencente as ordens militares, ele ainda guarda em suas colunas, estrutura de construção e estátuas mistérios e segredos pertencentes as ordens  Templárias de Jerusalém. Quantas tradições e belos rituais essas paredes teriam presenciado?  As ruínas do castelo estão abertas a visitação de segunda a sábado, das 10 as 17 horas. Se além de Game Of Thrones,  o passado das Ordens Místicas também  lhe agrada, Malta é um dos destinos de sua vida, certo?






A Ordem Hospitalar de São João de Jerusalém passou a ser a autoridade oficial dentro do Arquipélago de Malta e sua queda representou além do abandono do Castelo também a troca de comando dentro das ilhas. 

O arquipélago de Malta foi tomado por Napoleão em 1798 durante a sua expedição para o Egito. Este teria, dias antes de sua partida da Itália, pedido gentilmente  aos cavaleiros um porto-salvo para reabastecer os seus navios e continuar sua viagem até as terras egipcias.  Uma vez em segurança dentro do porto de La Valetta, virou-se contra seus  anfitriões.  O então Grão-mestre da Ordem, Ferdinand von Hompesch, apanhado de surpresa, não pode precaver-se contra este ataque rapidamente formulado por Napoleão. Este fato resultou em uma afronta para o restante dos cavaleiros que se predispunham a defender a sua possessão e soberania da Ordem, suas terras e sua sede, o Castelo. 





A ordem continuou a existir, compactuando com o governo de Napoleão, arquitetando uma retomada de poder que acabou infrutífera. O imperador da Rússia  doou-lhes então o Abrigo de Cavaleiros Hospitalários em São Petersburgo, o que marcou o início da tradição russa dos Cavaleiros do Hospital e posterior reconhecimento pelas Ordens Imperiais Russas. Em agradecimento, os cavaleiros depuseram Ferdinand von Hompesch e elegeram o imperador Russo Paulo I como Grão-mestre que, após o seu assassinato em 1801, seria sucedido por Giovanni Battista Tommasi em Roma, restaurando o Catolicismo Romano dentro da Ordem. Até este momento, diversas eram as religiões professadas pelos cavaleiros, tendo em vista Malta possuir origem pagã, tradição católica e islâmica. Com a restauração do catolicismo dentro da Ordem, os cavaleiros foram obrigados a conversão ou abandono da batina e espada.

A Ordem dos Cavaleiros de Malta, desfeita, entraria para história ou seguiria até os dias de hoje, oculta, com novos nomes e cavaleiros... 
Julgue como quiser :)






E agora a parte divertida de toda esta aventura cultural, iniciada pelo nosso interesse em Game of Thrones, claro! Que tal conhecer Malta? Fácil, acesse o link abaixo e veja o pacote que preparei para que você veja de perto tudo o que citei neste post. 

Programação Malta - Baixa Temporada 2012/2013


Espero que tenham gostado!  Não percam, semana que vem teremos o post sobre a Croácia, o último destino ( até agora ehehe ) das filmagens de Game Of Thrones. Não estou super empolgada em escrever sobre a geleira da Islandia mas, se vocês quiserem muito eu faço esse sacrifício ahahah... Com direito a pacote para lá e tudo, mas só se vocês quiserem,  pois acima de Winterfell e tudo além da Muralha eu dispenso!






Sahha u Xorti ghal kulhadd!    
(Saúde e Sorte a Todos!) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário